Invista no que causa impacto; veja dicas para montar um negócio com impacto social

Carlos Pereira e Paulo Rodrigues desenvolveram uma plataforma que auxilia no aprendizado de pessoas com deficiência; Csaba Sulyok criou uma empresa que se propõe a solucionar gargalos da geração elétrica fotovoltaica; Ronaldo Tenório fundou um negócio que faz tradução digital e automática para a língua dos sinais. Além de serem empreendedores, os quatro têm mais uma coisa em comum: oferecem soluções para problemas sociais e/ou ambientais por meio dos seus negócios.

 “Conhecidos como negócios de impacto social, esses empreendimentos têm sustentabilidade e através do seu serviço ou produto geram um impacto positivo tanto em relação ao consumidor quanto à comunidade”, diz Livia Hollerbach, cofundadora da Pipe.Social, consultoria especializada em negócio social. Além disso, o uso da tecnologia na solução de problemas ajuda os negócios a crescerem de maneira mais rápida e a se tornarem mais acessíveis.

 Mesmo com as particularidades, montar um negócio desse tipo não é diferente de qualquer outro quando o assunto é pôr a mão na massa. Segundo Alessandra Giovana, gerente adjunta da unidade de acesso a mercados do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas na Bahia (Sebrae- BA): “Quem quer investir nesse campo precisa entender da porta para dentro. Fluxo de caixa, planejamento estratégico, finanças; é preciso ter esses recursos de gestão”, garante.

Oportunidade

De acordo com Sheila Oliveira Pires, superintendente-executiva da Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec), a tendência é que negócios de impacto social cresçam cada vez mais. “A sociedade civil e as empresas estão mais preocupadas em contribuir para a melhoria das condições de vida da população. Isso veio pra ficar”, diz.

Livia concorda que cada vez mais empresas devem encarar o desafio, já que onde há problemas, consequentemente existem oportunidades. Ela acrescenta que no Brasil está ocorrendo um “boom de criatividade” nesse setor. Além disso, esses negócios dialogam com as inquietações da geração millenium – referência aos nascidos a partir do início dos anos 80. “É uma geração mais preocupada com questões sustentáveis, o que possibilita um campo fértil para investidores”.

A expectativa de ambas vai ao encontro do último levantamento da Força Tarefa de Finanças Sociais (FTFS), grupo com representantes de setores engajados no avanço das finanças sociais no país. Segundo a organização, até 2020 espera-se que o setor atraia R$ 50 bilhões em investimentos. De acordo com estudo da Ande, rede global que impulsiona o empreendedorismo em mercados emergentes, em 2015 existiam 22 investimentos ativos no Brasil, com aporte de US$ 177 milhões.

Monte um negócio com impacto social

Entenda: O conceito parece simples, mas para quem quer investir em um negócio de impacto social, é preciso compreender a fundo a definição desse setor e quais as responsabilidades do empreendedor.

Conheça o problema: Não dá para salvar o mundo sem conhecer quais os seus problemas. Para começar a investir em uma área, é preciso ter conhecimento aprofundado da área escolhida.

Viabilidade: Como em qualquer empreendimento, também é preciso fazer um estudo de mercado e um plano de negócios para saber a viabilidade do projeto.

Mão na massa: Formalização jurídica, contábil, processos operacionais e administrativos. Na hora de colocar a mão na massa, não é possível deixar de lado as exigências de um negócio.

Apoio: Para quem não tem recursos, não é preciso abandonar a ideia. Aceleradoras, incubadoras e investidores de todo o tipo se dedicam a isso. Porém, é bom lembrar que os negócios, apesar de receberem ajuda no início, devem ser autossustentáveis.

Inspire-se: Conheça outros negócios de impacto social para se inspirar. Aproveite para tirar dúvidas com os empreendedores e ampliar os seus contatos.

Inquietação: Caso você tenha interesse em investir em um negócio e ao mesmo tempo é inquieto e se preocupa com problemas sociais ou sustentáveis, leve isso em consideração na hora de ter um empreendimento.

Exemplos

LIVOX – Ferramenta que auxilia no processo de aprendizagem de pessoas com deficiência

Dica de Paulo Henrique Rodrigues, sócio: Identificar a necessidade e criar uma solução que realmente funcione nas mãos de quem mais precisa é essencial (Foto: Divulgação)

Hand Talk – Realiza tradução digital e automática para língua de sinais

Dica de Ronaldo Tenório, CEO e cofundador: É preciso equilibrar a missão que traz impacto, com compromisso de retorno financeiro – essa é a receita de sucesso do negócio social (Foto: Divulgação)

Cosol – Mercado virtual de usinas de geração de energia compartilhada

Dica do Csaba Sulyok, fundador: Além do atrativo em relação ao alto retorno e baixo risco, pode contribuir para a proteção do meio ambiente (Foto: Divulgação)

Fonte: Correio