FIQUE SABENDO…

Cientistas desenvolvem ‘esponja’ capaz de tratar diabetes tipo 2 

Após descobrir que a gordura libera compostos que contribuem para mudar todo o metabolismo, inclusive do desenvolvimento da diabetes tipo 2, cientistas desenvolveram uma esponja de polímero. O material, já utilizado em suturas e outros dispositivos médicos implantáveis, é capaz de impedir que a gordura interfira no restante do corpo, segundo informações do Bem Estar.  A esponja foi desenvolvida pela Universidade da Carolina do Sul, nos Estados Unidos, e apresentada em reunião da “American Chemical Society”. De acordo com o portal, elas foram implantadas em camundongos obesos com sintomas semelhantes aos da diabetes. Nos animais, o resultado indicou um possível tratamento para a doença, já que os ratos com as esponjas registraram aumento de 10% na gordura corporal. Já as cobaias sem o implante ganharam 30% a mais de gordura. Os camundongos com a esponja também apresentaram 60% de aumento de transportadores de glicose tipo 4 (Glut 4), que é a proteína que ajuda a transportar esse “açúcar perdido” para dentro das células.

Alongamento de cílios pode causar infecção nas pálpebras e terçol

Não há limites para a vaidade feminina. Uma das novidades que está fazendo a cabeça das mulheres brasileiras é o alongamento dos cílios. Porém, para prevenir problemas nas pálpebras, como a blefarite e o terçol, é preciso tomar certos cuidados.  Segundo Dra. Tatiana Nahas, oftalmologista, especialista em cirurgia de pálpebras, o alongamento ou o uso de cílios postiços realmente valoriza o olhar. Entretanto, o primeiro cuidado é escolher um profissional especializado, principalmente quando for para fazer o alongamento. “No alongamento, os cílios são colocados um a um com uma cola. Esse produto não deve entrar em contato com os olhos e nem com a margem das pálpebras, pois pode causar sérias irritações e alergias”, diz a médica. O mesmo cuidado com a cola deve ser tomado para colocar os cílios postiços, que não devem ficar nos olhos mais do que 24 horas. “Quando a pessoa colocar os cílios postiços deve retirá-los e higienizar muito bem as pálpebras para evitar qualquer contaminação. Essa é uma região muito sensível e sujeita a inflamações”, explica Dra. Tatiana. “Muitas pessoas têm medo de que os cílios caiam e deixam de higienizar corretamente as pálpebras. Isso aumenta o risco de infecções e inflamações, como a blefarite e o terçol, por exemplo. A blefarite é uma inflamação crônica que atinge a raiz dos cílios e é mais comum em pacientes com a pele clara, nos mais jovens – devido à ação dos hormônios – e em pessoas com rosácea ou com dermatite seborreica. Portanto, esse grupo deve ter cuidado redobrado ao usar os cílios postiços ou fazer alongamento”, afirma a oftalmologista.

Como fazer a higiene das pálpebras: “A higiene das pálpebras é muito importante e deve ser feita pelo menos três vezes por semana. Há dois passos básicos: escolher um produto e lavar as pálpebras. Todas as pessoas podem higienizar as pálpebras para prevenir inflamações e infecções, principalmente quem tem a pele mais oleosa e faz uso dos cílios postiços ou fez o alongamento”, comenta Dra. Tatiana.
 
Veja como limpar as pálpebras em dois passos: Escolha um produto para chamar de seu: Hoje existem inúmeros produtos no mercado especialmente feitos para a limpeza das pálpebras. O mais comumente usado é o shampoo infantil neutro. Mas, se a pessoa é alérgica, o ideal é consultar um médico para a indicação do melhor produto.
 
Como limpar? Faça uma espuma com água morna e com a ponta dos dedos lave a raiz dos cílios, como se estivesse lavando os cabelos. Depois, é só enxaguar e secar levemente. Não deixe o produto entrar em contato com os olhos para evitar irritação.

Anvisa aprova novo tratamento contra a asma

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária aprovou, o uso do remédio Nucala® (mepolizumabe) para o tratamento da asma. O medicamento, inédito no Brasil, é indicado quando a doença atinge o estado grave em adultos. Algumas pessoas com esse quadro de asma têm um tipo de glóbulo branco, chamado eosinófilos, no sangue e nos pulmões. Esses casos são chamados de asma eosinofílica. O mepolizumabe bloqueia uma proteína chamada interleucina-5. Ao bloquear a ação dessa proteína, limita a produção de mais eosinófilos pela medula óssea e diminui o número de eosinófilos na corrente sanguínea e nos pulmões. O Nucala® foi aprovado com a seguinte indicação: “Nucala® (mepolizumabe) é indicado como tratamento complementar de manutenção da asma eosinofílica grave em pacientes adultos”. (Portal Brasil)