Estudantes da rede estadual poderão concluir cursos técnicos de nível médio por meio de TCC

Os estudantes de cursos técnicos de nível médio da rede estadual poderão concluir a formação com a apresentação de um Trabalho de Conclusão de Cursos (TCC). As novidades sobre o assunto foram apresentadas pela Secretaria da Educação do Estado, na última segunda-feira (30), a educadores que trabalham diretamente com a questão nos Centros Estaduais e Territoriais de Educação Profissional e Tecnológica e de unidade compartilhadas da rede, durante formação no Instituto Anísio Teixeira (IAT), em Salvador, por meio do curso sobre “O papel do TCC e do estágio na formação dos alunos da Educação Profissional”.A principal mudança diz respeito à implantação da Portaria nº 3704/ 2017, que normatiza o TCC para os cursos técnicos de nível médio, ofertados no âmbito da rede estadual. Esta portaria substitui à de nº 5570/2014, que tornava o estágio um item obrigatório para a conclusão dos cursos técnicos de nível médio. O superintendente da Educação Profissional e Tecnológica do Estado, Durval Libânio Netto, explicou a necessidade desta alteração. “Queremos ampliar a oferta de oportunidades para que o aluno possa concluir o seu curso e ser diplomado. Isto porque muitos têm dificuldade de realizar o estágio, já que, por trabalharem durante o dia e estudarem à noite, não têm tempo. Também reduzimos a carga horária dos estágios para três mil hora. A carga horária estava muito extensa, com 20, 25% da carga horária total dos cursos, quando a legislação permite que se faça o estágio com o mínimo de 140 horas. Então, ampliando o número de diplomação possível, vamos conseguir colocar mais egressos no mundo do trabalho à disposição da sociedade baiana”, acredita.

Segundo Durval, a proposta do TCC é pautada na interação entre teoria e prática, possibilitando que a aprendizagem escolar extrapole o ambiente físico da escola, promovendo a aproximação da comunidade escolar aos diferentes segmentos da comunidade externa, possibilitando o acesso do estudante a novas tecnologias, conhecimentos e metodologias. “O desenvolvimento do TCC nos cursos de nível médio – a exceção é para o curso de Enfermagem, o qual o estágio é obrigatório – possibilitará a formação de profissionais inovadores, empreendedores e criativos, aptos a enfrentar os desafios que o mundo do trabalho requer”, destaca o superintendente.

Capacitação 

A vice-diretora do mundo do trabalho do CETEP Portal do Sertão, em Feira de Santana, Anete Magalhães, comentou sobre a importância da capacitação. “Sempre acreditei no processo contínuo de aprendizado porque nunca estamos prontos e temos que sempre buscar mudanças para garantir o acesso do aluno ao mundo do trabalho. Parabenizo o núcleo da Superintendência da Educação Profissional e Tecnológica por esses eventos importantes para revitalizar o processo de ensino e aprendizagem. E nesse novo olhar para o trabalho de conclusão do curso, devemos sair daqui com novos aprendizados para que possamos ser multiplicadores desse processo nos Centros, certa de que o TCC irá imprimir novos olhares no que diz respeito ao novo perfil desse estudante para o mundo do trabalho”.

A professora Sioleide Cavalcante, do curso técnico em Agroecologia do Centro Educacional Antônio Honorato, no município de Casa Nova, falou de suas expectativas com o TCC como alternativa para a conclusão dos cursos. “Participar desse momento de capacitação sempre nos traz novas experiências. Estamos com a expectativa de novos aprendizados e querendo conhecer as mudanças que ocorrerão no estágio, até porque precisamos nos inteirar e essa experiência nos traz mais aplicabilidade nesse processo do estágio e contribui para desenvolvermos mais a nossa capacidade de planejamento”.

Manuais 

Durante a capacitação, foram apresentados os instrumentos e manuais que vão apoiar os educadores nos centros e unidades compartilhadas. “Através dos manuais, que são direcionados tanto para os estudantes, como para os professores, os envolvidos são instruídos para a elaboração do TCC, bem como para a normatização de instrumentos, para regulamentação do estágio”, explicou a diretora da Superintendência de Educação Profissional e Tecnológica (SUPROT), Danile Sanches.

Fonte: Ascom/Educação