E assim segue a política brasileira…

Temer enterra segunda denúncia por placar de 251 votos a 227

O presidente Michel Temer venceu por 251 votos a 227 a votação na Câmara dos Deputados que determinou o arquivamento da segunda denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra ele e os ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha, e da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco. No placar final, foram registradas também 2 abstenções e 25 ausências. Em relação à votação da primeira denúncia, Temer sofreu um pequeno revés, já que foram 12 votos a menos a favor dele. Do lado da oposição, o número foi o mesmo da primeira apreciação. O placar que livrou o peemedebista da possibilidade se tornar réu no Supremo Tribunal Federal (STF) e ser afastado do cargo foi mais diminuto do que esperava o Palácio do Planalto. As contas de aliados do presidente apontavam que a denúncia seria enterrada com, no mínimo, 270 votos. Os peemedebistas são acusados de organização criminosa e obstrução de Justiça e, juntos, teriam recebido mais de R$ 587 milhões em propinas de um esquema que gerou um prejuízo de R$ 29 bilhões à Petrobras, de acordo com a PGR.

Veja quais deputados baianos votaram para salvar Michel Temer

A bancada baiana voltou a votar, em sua maioria, pelo prosseguimento da denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB), que acabou se safando do processo. Mas 14 deputados baianos apoiaram o peemedebista em sua tentativa de livrar-se de uma investigação por formar organização criminosa e obstruir a Justiça.

Veja quem foram os deputados baianos que ajudaram a salvar Temer:

Antonio Imbassahy (PSDB)
Arthur Oliveira Maia (PPS)
Benito Gama (PTB)
Cacá Leão (PP)
Claudio Cajado (DEM)
Elmar Nascimento (DEM)
João Carlos Bacelar (PR)
José Carlos Aleluia (DEM)
José Rocha (PR)
Lucio Vieira Lima (PMDB)
Mário Negromonte Jr. (PP)
Paulo Azi (DEM)
Roberto Britto (PP)
Ronaldo Carletto (PP)

Durante voto contra Temer, Fernando Torres pede Rodrigo Maia como presidente do Brasil

Durante seu voto pela continuidade da denúncia contra o presidente Michel Temer, o deputado federal baiano Fernando Torres (PSD) chamou atenção ao declarar apoio a Rodrigo Maia (DEM). Em seu breve discurso, ele disse que quer o presidente da Câmara como líder do Palácio do Planalto. “Eu voto pelos baianos. 90% dos baianos querem que o presidente Temer saia. E eu queria, presidente…vou falar rápido. Eu queria que você fosse presidente. Você trata tão bem essa Câmara”, declarou Torres, logo antes de ter o áudio cortado por extrapolar o tempo permitido para declarar o voto. “Tirou logo o microfone. Viu que até eu sou boicotado aqui dentro”, respondeu Maia em tom de brincadeira, antes de agradecer pelo elogio do parlamentar baiano.

Câmara rejeita denúncia e mais uma vez livra Temer de processo no STF

A Câmara dos Deputados rejeitou a denúncia contra o presidente Michel Temer e os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral). Para barrar o andamento da acusação, o presidente precisava somar 172 votos, entre “sim”, abstenções e ausências de deputados. Eles são acusados de organização criminosa, pela Procuradoria-Geral da República (PGR), com base em delações e provas colhidas ao longo das investigações da Lava Jato. O órgão também acusa Temer de obstrução de justiça. Eram necessários o mínimo de 342 votos contra o parecer do deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG), relator do caso na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), para que o caso seguisse ao Supremo Tribunal Federal (STF), a quem cabe investigar o presidente, conforme a Constituição.O relatório de Bonifácio era a favor do arquivamento do processo. Com a decisão dos deputados, a denúncia é suspensa e só pode ser retomada depois que Temer deixar o Planalto. Agora, caberá ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), comunicar o resultado ao STF. De acordo com o portal G1, para a votação ser validada, e não precisar ser feita novamente, ainda é necessário que haja 342 votos na sessão, entre “sim” e “não”. Por isso, a votação continua. No dia 2 de agosto último, Michel Temer já havia conseguido barrar uma primeira denúncia, também de autoria da PGR, por corrupção passiva. À época, votaram 492 dos 513 deputados: 263 a favor do relatório do deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), que recomendava a rejeição da denúncia, 227 contra e duas abstenções. Houve também 19 ausências.